8/11/2014

Criminal Capítulo 29 - Kidnapped

Um barulho de chaves ecoou pelo corredor extenso, fazendo-me abrir os olhos e despertar de um sono que parecia mais do que profundo. Senti minhas costas doerem assim que respirei fundo e um cheiro nojento invadiu minhas narinas. Me levantei rapidamente, percebendo que não estava em uma cama macia na casa de Zayn, muito menos em uma num motel barato. Eu estava deitada em uma espécie de cama de concreto, com um colchão fino o bastante para que eu sentisse a parte dura embaixo de mim.
Tentei mexer uma das minhas mãos, reparando só então que elas estavam algemadas, assim como uma roupa laranja estava vestida no meu corpo. Comecei a me desesperar, tentando soltar meus pulsos, eu não gostava de ficar algemada... Por que eu estava algemada?
Então me recordei do homem que aparecera no meu quarto na outra noite. O nome FBI piscou na minha mente e foi aí que me toquei: eu estava presa, presa na prisão do FBI. Eu não podia ser presa!! Não é como se eu não tivesse feito nada, mas... Eu apenas não podia.
O mesmo barulho das chaves de antes voltaram para a minha audição e quando olhei para frente, uma porta de metal parecia estar sendo aberta. Coloquei meu corpo em pé, vendo a porta realmente se abrir e um homem enorme com roupa de policial me encarar como se eu fosse lixo. Ele se aproximou de mim, agarrando meu braço bruscamente e me puxando para fora da cela.
– O que é? Pra onde está me levando? – perguntei firme, tentando acompanhar seus passos grossos – Hein?
– Cala a boca! – ela esbravejou, andando ainda mais rapidamente.
O corredor em que minha cela se encontrava, estava repleto de muitas outras, era como um local infinito de portas. Minha cabeça não havia despertado completamente, mas eu juro ter escutado gritos de dor ao entrarmos em um corredor a esquerda, com mais portas, mas essas eram ainda maiores. O homem parou de um puxar em frente a uma delas, abrindo a maçaneta e me tacando com força lá dentro. Cambaleei, tropeçando até chegar em uma mesa de apoio e me segurar ali para não cair.
Virei meu corpo rapidamente, vendo a porta se fechar em um estrondo.
– Olá, querida. – uma voz veio de trás de mim e eu levei um susto, olhando em direção do barulho.
– Você...
Era o mesmo cara do dia anterior. Arregalei meus olhos e comecei a me aproximar dele, no intuito de acabar com sua cara, mas simplesmente brotaram dois brutamontes do chão e me impediram de fazer isso. Um deles me arrastou, me fazendo sentar para a cadeira em frente a mesa.
– Garanto que irá ficar calma. – ele disse, com um sorriso cínico no rosto – Estamos em uma prisão Londrina, não vai querer ficar atacar ninguém.
– Tira essas algemas de mim! – mandei, fazendo minha melhor cara de séria – Agora!
Ele riu.
– Clara, Clara, Clara... Querida e inocente, Clara. Acho que você não entendeu o quanto isso aqui é sério. – eu estava prestes a arrancar aquele sorriso do seu rosto – Eu passe anos, ANOS, indo atrás de você, sabia? Você causou muitos problemas mocinha, além de não deixar nenhuma pista para trás. Sabe quanto tempo demorei para descobrir seu nome?
– Não. E não quero saber.
– Dois anos – ele respondeu – Depois, demorei mais um bocado, até agora, para te achar... Me diga, estava em Londres todo esse tempo, ou se escondia em outro lugar? Alias, adorei a plástica no nariz.
– Vai pro inferno. – falei indiferente e o cara, acho que Johnson, riu.
– Que graça você. Quero ver se vai ser tão simpática assim quando descobrir que pegou uma vida inteira na cadeia.
Eu não fiquei surpresa. Pelas coisas que já fiz, alguns lugares nem me prenderiam, me mandariam direto para um local de tortura até a morte.
Eu sempre soube que um dia eu acabaria na cadeia, mas isso foi antes de me tocar que aquela não era a vida que eu queria. Além do mais, se eu ficasse presa ali pelo resto da vida, quem cuidaria para que Zayn, Alfred e até os meninos continuassem vivos? Será que o FBI faria aquilo para mim.
– Achamos o esconderijo da sua agencia na Rússia também – continuou Johnson.
– Ex-agencia. – corrigi-o e ele se surpreendeu com a fala.
– Interessante. Eu não sabia disso. – falou – Mas isso não importa, certo? Estamos aqui porque quero saber uma única coisinha. – ele se inclinou na mesa, ficando próximo a mim – O que você estava bolando?
– O quê? – franzi o cenho, enojada com o cheiro de café da tarde no seu hálito – Bolando o quê?
– Não se faça de idiota, Clara. Nós todos sabemos que você planejava algo aqui na Inglaterra e eu quero saber o quê!
– Eu não estava planejando nada! – falei em um tom mais alto – Para sua informação, detetive, eu larguei essa vida de assassina, ok?
– E quer que eu acredite que virou namorada de um Pop Star para nada? – ele pegou algo em sua cadeira e jogou um cima da mesa, uma revista. Uma revista com o meu rosto estampado na capa, meu rosto e de Zayn – “O novo casal do momento! Zayn e Hope curtem uma saída no shopping, será que é oficial?” – Johnson leu com uma voz afinada – Poupe-me, Hope, não sou tão idiota assim.
– Mas pelo jeito é um detetive péssimo – provoquei – Se fosse realmente bom, saberia que eu não estou planejando nada.
– Não temos o dia inteiro, Vacker. – sua expressão ficou mais séria – Tornarei sua vida um inferno se não contar.
– Eu. Não. Estou. Planejando. Nada. Quer que eu desenhe para você? – o detetive suspirou, se sentando na cadeira – Você é mesmo do FBI?
– Olha aqui – ele me encarou – Eu não voei dos Estados Unidos para cá para ouvir uma mentira dessas! Estou te falando, Clara, aqui, as coisas estão fáceis, mas quando eu te levar para meu chefe, na verdadeira sede do FBI, e você não tiver me contado, vai ficar tudo pior.
Encarei aquele rosto cansado e uma ideia me veio a mente.
– Te conto com uma condição. – comecei e ele levantou a cabeça, interessado – Está vendo esse garoto da capa? – apontei para a revista – Você vai colocar alguém para vigia-lo pelos resto de sua vida, simples assim. – falei, dando de ombros e vendo-o franzir o cenho.
– Está de brincadeira. – o detetive me olhou feio – ISSO NÃO É BRINCADEIRA, VACKER! – ele bateu as mãos na mesa.
– EU NÃO ESTOU DE BRINCADEIRA! – me levantei, ficando de sua altura – Essa é minha condição! Deixar ele a salvo, então, te conto tudo o que precisava saber. Exatamente tudo.
Johnson me examinou com os olhos, totalmente sério e tenso. Ele endireitou a coluna e levou a mão ao queixo, pronto para dizer algo, e foi então que a porta se abriu bruscamente.
– SENHOR! – um policial apareceu ofegante – Temos um caso sério! Estão pedindo sua ajuda!
– O que houve?
– Sequestro. – o policial respondeu.
O detetive me olhou entediado e depois falou para um dos brutamontes:
– Levem-na daqui. – ele apontou para mim – Depois terminamos essa conversa.
...
Um dos brutamontes me levou até um pátio repleto de pessoas vestidas de laranja. Todas tinham cara de que passavam a noite vendo gatinhos sofrerem e ainda riam da cena. O local era totalmente cinza e tinham algumas mesas de jogos espalhados por todo o terrenos, assim como grades cercando tudo em volta.
– Por que eu sou a única de algema? – perguntei assim que reparei naquela injustiça.
– Você é considerada perigosa. – o brutamontes respondeu, acompanhando cada passo que eu dava – Os perigosos usam algemas.
– Isso é ridículo. – revirei os olhos, irritada por saber que teria uma companhia daquelas pelo resto de minha vida – Vem cá, eu posso fazer uma ligação?
– Não.
– Por que não? Todos tem esse direito.
– Você não.
– Vai dizer que não posso comer também?
– Pode. Mas só sopa.
– O QUÊ? – fiz cara de nojo – Por quê?
– Já vi um perigoso matar um dos presos com um grão de feijão. – ele falou e eu soltei uma gargalhada, sendo totalmente reprimida por ele.
– Como você é chato. – continuei, vendo-o bufar. Meu plano estava dando certo – E quando eu for fazer xixi? Você vai comigo também?
– Sim.
– Não!!! Isso é ilegal! Sou assassina, mas tenho meus direitos! Não vou deixar você me ver fazer xixi. É totalmente constrangedor!
– Fica quieta.
– Cara, eu queria tanto um gole de águ...
– JÁ ESTOU INDO BUSCAR! – o brutamontes deu um berro, me assustando um pouco e saindo de lá aos resmungos, deixando-me sozinha como o planejado.
Aproveitei que ele tinha sumido do meu campo de visão e caminhei pelo pátio em busca de algum orelhão ou alguém que estivesse com um celular contrabandeado. As pessoas me lançavam alguns olhares repugnantes, enquanto outras pareciam me temer também, como se soubessem que não podiam mexer com os de algemas, os “perigosos”.
Passei por um grupo de garotas fumando em uma mesa de concreto. Elas encaravam uma televisão velha que tinha uma imagem péssima.
A polícia chegou à casa minutos depois que o vizinho ligou dando queixa de barulhos de tiro – dizia uma mulher no noticiário que passava no aparelho televisivo – O portão da entrada foi arrombado, assim como a porta principal. A casa foi encontrada vazia, com duas balas perdidas encravadas na parede da sala.
Parei de andar conforme as pessoas iam se aproximando mais para ver o jornal. A imagem estava cheia de chiados e espremi os olhos, reconhecendo a vista em que filmavam a jornalista de casaco azul.
Não sabemos ainda o motivo do sequestro, mas a policia já está investigando e afirmam que já tem algumas pistas – ela continuou e eu virei os olhos, sabendo que aquilo era mentira – Centenas de fãs estão aqui na frente, desesperadas e em estados lastimáveis lamentando o que acabara de acontecer.
Fãs?
Fãs?!
FÃS?!
Aproximei-me mais ainda da televisão, me enfiando dentro da rodinha que se formara.
O integrante da banda, Harry Styles, fora encontrado dentro da casa sozinho e descordado. Os moveis estavam virados em todos os cantos e ninguém tem sinal dos outros quatro integrantes. – a mulher continuou e eu quase desmaiei ali mesmo – Ele ainda não acordou, mas voltaremos em breve com mais noticias assim que possível. George, é com você.
Quando a cena cortou para George ou sei lá quem, eu não enxergava mais nada.
Eles iriam morrer.
Morrer.
E era tudo minha culpa.
Eu precisava dar o fora dali, o mais rápido possível.






OOOOOE!
Tudooo booooooooooooooooooooooooom?
Mais um cap :D
Espero que tenham gostado, o próximo estará mais
legal, juro jurado!!!
MUUUUUITO OBRIGADA PELOS COMMENTS LINDAS <3
TUM TUM <3
SeriãoooooooOooooo!
Quero deixar claro que Criminal está no final,
mas eu aviso quando for o penúltimo, ok?
Boooooooom, só isso!
Beijos, amo vocês,
Lo <3

10 comentários:

  1. Cobtinua xoxo isabel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Continua * escrevi errado kk sabe oq er entrar aq todos os dia kk pra ver se tem capitulo novo kk ai er so quinra e segunda .. xoxo isabel

      Excluir
  2. MDS continua pfvr pfvr ta perfeito.

    ResponderExcluir
  3. Meu deus continuaa. Eu fico me imaginando no lugar da Clara!!!!!

    ResponderExcluir
  4. Cada dia er um cap? Kk eu nao to entendendo

    ResponderExcluir
  5. continuaaa!!! ta muito bom

    ResponderExcluir
  6. Continuaa ta incrivel

    ResponderExcluir
  7. Amanha é quinta-feira e sabe oq isso siginifica? CAPITULO NOVO

    ResponderExcluir
  8. PELO AMOR DE DEUS CONTINUA,MANO QUE FIC PERFEITA, VOU ME CASAR COM ESSA FIC...

    ResponderExcluir