12/15/2014

UDBC - Cap 12 - Que porra tu fez?



Cinco coisas que significam sorte, ao menos para Louis. Trevo de quatro folhas, pé de coelho, achar uma moeda na rua, uma ferradura e um colar que ele tem com uma pequena pimenta. Porém quando ele viu cinco coisas paradas na sua porta ele soube que era sorte.
Cinco meninas, com roupas curtas e provocativas, estavam paradas em sua porta. Louis as olhou em dúvida esperando alguma coisa explicasse isso ou que ele não fosse casado com Harriett.
 – A gente estava indo para uma festa quando dois pneus do nosso carro furaram, o cara da borracharia vai demorar meia hora para chegar. Podemos esperar aqui? – a morena com um enorme decote, que Louis não se deu ao trabalho de olhar para o rosto dela, perguntou
 – Claro, entrem!
Eles caminharam até a sala e uma das meninas deu a ideia de pôr música para dançar e Louis sendo fraco aceitou. Logo as cinco meninas começaram a dançar. Em desespero Louis ligou para Harry.
 – Alô? – Harry falou do outro lado da linha telefônica
 – Tem cinco gostosas dançando na minha casa – Louis foi direto ao ponto.
 – Como assim? – Harry perguntou
 – Tem cinco meninas com um belo corpo dançando na minha sala de estar – Louis falou ficando hipnotizado
 – Louis, saia daí, é uma armadilha, ela pensou no mesmo que a gente, se ela te pegar com uma suposta traição o casamento acaba e muito dinheiro pode ser arrancado de você.
 – Não é uma armadilha, essas coisas podem acontecer – Louis falou observando uma das meninas descerem até o chão
 – Claro que não, saia da sua casa.
 – Não vou sair, se isso é uma armadilha dela então vamos jogar o jogo – Louis falou
 – Como? –Harry perguntou
– Ligue para os caras que fazem marketing para a gente e o resto da banda – Louis falou – Quero todos na minha casa, hoje vai ter festa.
Harry estranhou mais ligou. Ele iria ajudar o amigo, e se ligar para os caras do marketing fosse ajudar então ele faria isso.
~x~
Harriett e Elo chegaram à mansão do Louis, com sacolas do supermercado. Harriett abriu a porta da mansão e escutou uma música qualquer tocando, ela abriu um sorriso e encarou Elo, que também sorria. Caminhou em direção à sala e viu Louis sentado no sofá enquanto cinco meninas dançavam em sua frente. Louis olhou calmamente para Harriett e sorriu.
Harriett abriu a boca para falar alguma coisa, mas foi interrompida por Harry, que entrou gritando “festa” na casa de Louis com um monte de gente atrás dele. Logo aquela mansão já estava lotada de pessoas dançando.
Harriett revirou os olhos, como Louis sempre consegue fazer parecer que estava um passo a frente? Naquele momento, se Harriett tivesse uma arma, ela mataria Louis. 
 – Hazy! – Harriett se virou para ver quem chamava ela e encontrou Elo – Acho que o plano não deu certo.
 – Você acha? – Harriett perguntou sarcasticamente encarando a prima.
 – Mas veja pelo lado bom, tem um monte de gatinhos aqui.
 – Quem fala gatinhos?
 – Eu – Assim Elo foi atrás de um menino, que segundo ela se parecia com o Liam.
Harriett caminhou até a cozinha, se Elo iria querer ficar vendo os meninos Harriett preferia comer alguma coisa, ela estava morrendo de fome. Ela tirou uma lasanha congelada da sacola e colocou no forno.  Logo a lasanha estava pronta e Harriett estava comendo a mesma sentada na mesa da cozinha.
 – Serio que em uma festa assim você vai ficar comendo lasanha? Na cozinha? – Liam falou entrando na cozinha e sentando em frente a Harriett.
 – Se preferir que eu vá comer lasanha no quarto avisa – Harriett resmungou sem se virar para o Liam
 – Você entendeu o que eu quis dizer – Liam falou.
 – Achei que você estava sendo perseguido pela minha prima! – Hazy comentou colocando lasanha na boca, mas Liam a ignorou.
 – O Louis está lá fora aproveitando a festa – Liam falou e Harriett deu de ombros – Vocês ainda são casados.
 – Mas se ele me trair o divórcio acontece de uma vez por todas. – Harriett falou e Liam concordou.
 – Só que ele não querer te trair – Liam falou se levantando.
 – Por quê? Seria tão mais fácil – Harriett comentou encarando o Liam – Acho que eu vou trair, a única coisa que vou perder é um casamento, nada demais. 
 – Claro, além de perder sua casa, seu dinheiro e até seu emprego. – Liam falou.
 – Não tenho casa. Dinheiro? Pouco. Mas o emprego é sacanagem. – Harriett falou – Mas o que eu não entendi ainda é o porquê do Louis não querer me trair.
 – Por que ele não quer que você saia com nem um pouco do dinheiro dele – Liam falou pegando um copo com alguma bebida e saindo da cozinha.
 – Mas eu... Ele acha que tudo isso é um golpe do baú? – Harriett perguntou, mas Liam já tinha saído da cozinha.
Harriett se levantou e caminhou até a sala, lá encontrou muitas pessoas, mas do que tinham quando ela chegou.
 – PARADOS – alguém gritou da porta e imediatamente todos fizeram silêncio, Harriett olhou para a porta e encontrou dois policias.
 – LIGARAM RCLAMANDO DO BARULHO – a policial gritou e todos continuaram encarando os dois.
– RECLAMARAM QUE ESTAO FAZENDO POUCO BARULHO – Assim os dois policiais, uma mulher e um homem, tiraram a roupa ficando somente de roupas íntimas.
Strippers.
Aquela música no volume máximo ecoava pelos ouvidos de Harriett, ela caminhou até o quarto de Louis, que no momento era seu. Assim que entrou encontrou Louis, e uma latinha de cerveja, deitado na cama.
 – Desculpa – Harriett falou – Vou procurar outro lugar.
 – Pode ficar, eu só estou querendo fugir da festa. – Louis falou tomando um gole da sua latinha de cerveja
 – Que incrível, Louis Tomlinson, o festeiro, querendo fugir de uma festa – Harriett comentou se sentando em uma poltrona.
 – É o que ser casado faz – Louis falou sarcástico.
 – Que incrível, até assim, bêbado, você é chato
 – Só lembre que você casou comigo quando eu estava bêbado sem saber meu nome.
 – Mas você sem saber seu nome conseguiu assinar o maldito contrato – Harriett aumentou o tom de voz.
 – Mas eu estava bêbado – Louis aumentou seu tom de voz também e ficou de pé.
 – Eu também – Harriett gritou e eles estavam cara a cara. Tão perto que se fosse possível era capaz deles ouvirem os pensamentos um do outro.
 – Mas estamos casados – Louis falou bravo, mas com sua voz normal
 – Unidos .
 – Até que a morte nos separe – Louis rosnou.
 – A não ser que eu te mate primeiro – Harriett sussurrou e saiu do quarto.
Harriett desceu a escada furiosa, ela no momento tinha certeza de duas coisas. Louis Tomlinson, seu marido, era um completo, e irreversível, idiota e aquela festa era a melhor festa ever. Hazy correu os olhos pela sala e no sofá encontrou Elo e o policial dançando. Na poltrona Zayn e Perrie se beijando, em outro canto Eleanor encarava u menino mordendo os lábios, Harry encarava uma menina que Hazy não conseguiu descobrir qual, e Niall não estava na sala.
Aquela ou era a melhor festa ever, ou simplesmente era um motivo para ficar bêbado. Harriett Callan decidiu que era um motivo para ficar bêbeda. Assim ela pegou a primeira latinha de cerveja que viu e tomou. Se quando Callan estava bêbada só fazia merda, essa vez podia não ser tão diferente.
Depois da décima latinha de cerveja Harriett caminhou com dificuldade até a cozinha, ela sempre fora fraca com bebidas. Assim que conseguiu ver um copo com água ela pegou e bebeu. Colocou o copo em cima da bancada. Olhou para o teto e tudo girava.
Quando Harriett foi se virar para sair da cozinha algo foi mais rápido que ela e a virou, assim a beijando. Aqueles lábios que Harriett não conhecia. Ela por algum motivo rezava para que não fosse o Tomlinson, ao mesmo tempo queria que fosse. 
Depois que o ar se fez necessário Harriett se afastou do estranho que a beijava e abriu os olhos. Ali ela encontrou a única pessoa que a escolheria bêbada. Louis. Sim, Louis a tinha beijado, mas ele estava tão bêbado quanto ela.
Harriett meio perdida correu da cozinha. Subiu correndo, chegando ao andar de cima ela via várias pessoas no corredor se beijando. Ela entrou em seu quarto, ou de Louis tanto faz. Ela queria se enfiar em um buraco. Só Louis a escolheria bêbada, e só ela escolheria Louis bêbado. Era um elo de bebida.
Ela se jogou na cama e passou os dedos pelo lábio. Ela sabia que quando visse ele não seria a mesma coisa. Talvez ele nem se lembraria no dia seguinte. Ela havia beijado Louis. Harriett queria, e somente queria sua vida de volta.
Harriett sentou na cama e falou para si mesma:
 – Não acredito que beijei Louis Tomlinson, meu marido, um desconhecido.
Harriett acordou no dia seguinte. Ela estava confortável. Estranhamente confortável. Ela tentou se mexer, e só ai percebeu que tinha um braço em volta dela. Ela olhou para o dono do braço e viu Louis. Sim, seu marido. Ele tinha dormido com ela. Mas como? Ela se lembrava de não ter dormido com ninguém na cama.
Ela tentou se mexer, porém Louis era forte e ela não conseguiu sair dali. Depois de muito tentar Harriett se pôs a cutucar Louis.
 – Hey! Louis! – Harriett falou, mas ele nem se mexeu. – Acorda, eu tenho que trabalhar. Acho, ou comprar comida. Tenho que sair daqui.
Em resposta, Louis gemeu em reprovação. Harriett revirou os olhos e tentou novamente:
 – Louis, por favor, acorda – ela falou e ele novamente não se mexeu.
 – LOUIS TOMLINSON – Harriett gritou e Louis deu um pulo, acordando.
 – QUEM MORREU? – ele perguntou olhando em volta.
 – Por um momento você – ela comentou se levantando.
 – Por que me acordou? Estou com sono.
 – Pelo simples motivo de eu precisar sair para comprar comida – Harriett falou revirando os olhos.
 – Não podia fazer isso sem me acordar? 
 – Não, pois meu “marido” dormiu abraçado em mim – Harriett falou pegando uma roupa qualquer na mala e indo para o banheiro.
 – Desculpa – Louis falou coçando a nuca.
Harriett nem respondeu e foi tomar seu banho. Seu chefe tinha lhe dado o dia de folga, mas ainda teria que comprar comida. Harriett saiu do seu banho e colocou uma calça jeans com uma blusa de manga comprida preta. Se olhou no espelho e começou a arrumar seu cabelo, se maquiar. Arrumar-se no geral.
Logo ela ouviu uma batida na porta e a voz desesperada de Louis:
 – AMOR, eu preciso ir ao banheiro.
 – Já saio. Não pode ir a outro? 
 – Não tem outro, os outros estão sujos ou com pessoas dormindo – Louis resmungou.
 – Já saio.
 – Não tem “já saio”, é agora. Eu estou apertado.
 – Espera
Logo as batidas diminuíram e Hazy ouviu passos apressados na escada. Ela sendo curiosa saiu do banheiro e desceu a escada. Seguiu o barulho e encontrou Louis fazendo xixi na pia.
 – Que merda é essa? – Harriett perguntou cruzando os braços.
 – Não é merda, é xixi.
 – Louis!
 – É a necessidade. – Louis falou – Ah! E hoje é a sua vez de lavar a louça – completou.
Harriett revirou os olhos e saiu de casa. Teria que esquecer essa cena.
 – Seis meses. – Harriett falou para si mesma – Seis meses e o juiz quebra o contrato de dois anos. Somente seis meses.
 – Deu para ser autista agora? – Harriett virou assustada e encontrou Elo.
 – Não me assuste mais – Harriett falou e Elo revirou os olhos .
 – Não te assustei, ouvi você saindo da sua casa e resolvi te seguir – Elo falou, como se aquilo fosse normal.
 – Me ouviu sair da casa do Louis? Como?
 – Ontem a festa estava incrível e eu acabei dormindo lá.
 – Imagina como sua mãe e sua irmã devem estar. –Harriett comentou rindo.
 – Nem me fale nelas. Esses dias minha mãe deu a pira falando que seus pais eram loucos e que era para eu não falar mais com você. Já que filho de peixe peixinho é.
 – Eu não sou tão maluca igual os meus pais .
 – Eu sei, meu vizinho sabe, o cara da fila do cachorro quente sabe. Mas minha mãe não.
 – Será que ela nunca ouviu para não julgar um livro pela capa?
 – Mas nesse caso ela está julgando pelos autores.
 – Que seja. – Harriett falou enquanto Elo olhava no celular.
 – AI MEU DEUS, já são uma da tarde. Tenho que ir para a minha casa. – Elo gritou, e Hazy revirou os olhos.
 – Boa sorte com a sua irmã e com a sua mãe. 
 – Que te escutem,  – Elo falou – vou ter problema com a minha mãe, certeza.
 – Qualquer coisa fala que a louca da sua prima deu ataque de loucura – Harriett falou rindo 
 – Serio? Essa é a sua grande ajuda?
 – Sim, vai lá. Boa sorte
 – Valeu.
Elo saiu correndo e Harriett foi em direção ao mercado.
Depois de ir ao mercado, Harriett volta para “sua” casa, e encontra Louis expulsando as pessoas da festa de ontem. Ela vai direto para a cozinha colocando tudo que comprou na geladeira. Decide fazer algo para o almoço e começa a pegar os ingredientes.
Assim que ela põe o macarrão para cozinha Louis entra na cozinha e pergunta:
 – O que é isso?
 – Bosta! Não está vendo? – Harriett perguntou com uma cara de, “sério?”, para Louis.
 – Nossa, seu sarcasmo me deixa apaixonado por você – Louis comentou ironicamente.
 – Mas cuidado, tenho prazo de validade nessa casa. – Harriett comentou seria.
 – Como assim? Validade? Achei que você já estava podre! – Louis comentou com um sorrisinho nos lábios.
 – Seis meses, eu vou embora e tudo volta ao normal – Harriett fala começando a preparar o molho para o macarrão e ignorando os comentários de Louis.
 – Não seja dramática, poderá me visitar sempre que quiser – Louis comentou colocando uma das mãos no coração, mencionei que ele foi sarcástico? Se não, está mencionado, ele foi SARCÁSTICO!
 – Muito gentil da sua parte, mas meus planos são: ficar longe de você – Harriett fala preparando o molho.
 – Sabe que eu tento de tudo para te agradar, amor! – Louis falou sorrindo irônico.
 – Meu querido, sabe que minha confiança em você é total, né? – Harriett perguntou enquanto tentava segurar a risada.
 – Sei que você me ama.
 – Convencido.
 – Para você, é humilde.
 – Acho que isso passa longe de ser humilde – Harriett comentou misturando o molho com o macarrão.
 – Mas sério, o que você está fazendo? – Louis perguntou sério fazendo Harriett rir.
 – Macarrão ao molho branco – ela fala colocando dois pratos na mesa e servindo os dois.
Louis olha meio receoso para o prato e olha novamente para Harriett. Hazy revira os olhos e encara o Louis seria.
 – Você realmente acha que tem veneno ai? Se tivesse eu não teria colocado para mim – Harriett comenta comendo o macarrão
 – Esse é meu medo, vai que você colocou um veneno que cobras são... Imunes – Louis comenta olhando sério para Harriett.
 – Não sou cobra – ela fala seria – come logo, ou você vai passar fome.
 – Acho que vou almoçar fora – Louis fala se levantando.
 – Melhor, sobra mais para mim – ela fala pegando um macarrão do prato de Louis.
 – Pensando bem... – Louis começa a comer desesperado.
O silêncio se estabelece ali, o único som que se ouvia era o batér dos garfos e facas nos pratos e os dois mastigando. Louis estava concentrado na refeição, enquanto a mente de Harriett voava longe.
 – Você cozinha bem – Louis comenta depois de um tempo de silêncio.
 – Bem que nível? – Harriett perguntou sorrindo marota.
 – Nível “já pode casar”. – Louis fala e ri.
 – Já sou casada – Harriett fala rindo.
 – Fala isso como se fosse ruim, você é casada com o Louis gatão gato dos gatos gostoso Tomlinson – Louis fala apontando para ele mesmo.
 – Muita sorte a minha, não acha? – Harriett fala e parece pensar um pouco – Pera, não é sorte, é azar.
 – Nossa, hahaha, morri de rir aqui da sua piada – Louis comenta com cara de tédio.
 – Às vezes eu acho que você é bipolar.
 – Só com você amor.
 – Nossa, que fofo você Louis, ou melhor, Boo Bear.
 – Não me chama de Boo Bear, só minha mãe me chama assim.
 – Desculpa, acho que você prefere Boo, né?
 – Noop, para você é Louis gostoso Tomlinson – Louis fala serio.
 – Ok, me desculpe Louis iludido Tomlinson.
 – Não é iludido, é gostoso.
 – Achei que era para colocar o adjetivo que quisesse.
 – Você me dá náuseas. Harriett, querida, amor. Como quiser. Tente ser menos repulsiva, acho que com isso nossa relação pode melhorar.
 – Só se você para de ser iludido. – Harriett se levantou colocando os pratos na pia – Hoje a louça é sua – ela piscou para ele saiu daquela casa.
Harriett iria atrás de Elo. Ela precisava contar sobre o beijo que tivera com Louis. Sem nem perceber ela já ligava para Elo enquanto caminhava pela rua.
 – Alô? – ela ouviu a voz de Elo e percebeu que a prima estava dormindo.
 – Desculpa ter te acordado, mas preciso conversar com você. Fiz merda. Preciso de ajuda – Harriett falou desesperada.
 – Quem é? 
 – ELOISA, é a Harriett, sua prima favorita.
 – HAZY!!!! QUE PORRA TU FEZ? –Elo gritou
 – Não dá para falar por telefone, me encontra no Big Ban. – Harriett falou e desligou sem nem esperar a resposta da prima.

Hey
outro caap
Um beijo e um queijo
Tália


Um comentário:

  1. Continua xoxo Isabel

    Tava meio sem net, mais tou de voltei

    ResponderExcluir